Biossegurança x biosseguridade: saúde em primeiro plano

Embora parecidos na grafia, esses conceitos possuem significados distintos no processo de produção

A cadeia produtiva do agro trabalha incansavelmente para levar ao consumidor produtos com a melhor qualidade possível. Isso envolve técnicas de produção e de manejo, equipamentos, saúde animal e vegetal, logística, entre outros procedimentos necessários para garantir uma produção eficiente.

Nesse contexto, estão envolvidos dois conceitos com nomes e finalidades semelhantes, mas com aplicações bem diferentes na prática: biosseguridade e biossegurança. Saber diferenciar esses dois termos dentro de um sistema produtivo é essencial.

Biosseguridade: saúde da produção

O termo biosseguridade, de acordo com o médico-veterinário especialista em saúde animal, Eduardo Conte, em entrevista ao Poadcast da FACTA (Fundação APINCO de Ciência e Tecnologias Avícolas), se refere a tudo que é desenvolvido para reduzir ao máximo os riscos da entrada de organismos que causam doenças ao hospedeiro no sistema produtivo, seja ele voltado à produção animal ou vegetal.

Programas de biosseguridade têm a premissa de melhorar a saúde dos animais e das plantas. Eles estabelecem um conjunto de normas flexíveis de manejo, procedimentos e protocolos, cuja finalidade é minimizar o risco de entrada ou mesmo a proliferação de doenças. Para a produção animal, outro objetivo desse controle é uma melhor eficiência na produção, que se dá pela redução de riscos de doenças e pela melhora nos custos de produção.

Biossegurança: saúde do ser humano

O conceito de biossegurança, diferente da biosseguridade, está relacionado à saúde humana. Nesse contexto, as normas não apresentam flexibilidade. Elas são permanentes, com o intuito de não existir qualquer risco ao indivíduo, ou seja, ele precisa estar totalmente protegido. O objetivo de programas de biossegurança, segundo Eduardo Conte, é reduzir a carga infecciosa do ambiente de produção, de forma a conquistar resultados zootécnicos e econômicos com baixo risco de contaminação.

Como estamos falando de pessoas que trabalham em áreas de alto desafio sanitário, as aplicações mais comuns de protocolos de biossegurança se dão em laboratórios de pesquisa com organismos geneticamente modificados e em laboratórios de vacinas e medicamentos.

No processo produtivo, tanto a saúde dos animais e vegetais quanto a saúde humana são colocados em primeiro plano, a fim de minimizar quaisquer riscos de contaminação e de colocar produtos de qualidade na mesa do brasileiro.

 

Fontes:

Poadcast FACTA (Fundação APINCO de Ciência e Tecnologias Avícolas – https://open.spotify.com/episode/23d6UrDZJN4Fx2xfWuo7IC?si=tk2rPwAmSVqZGKejBHZ0bg

https://opresenterural.com.br/biosseguridade-o-que-e-sua-importancia-e-quanto-sua-falta-pode-custar/