Quem pensar diferente agora, fará a diferença em um futuro próximo

Por: Ricardo Nicodemos e Luiz Eduardo Moreira Coelho

Hoje em dia, falar de qualidade para o produtor rural, é chover no molhado.

Não importa qual é a categoria: pode ser semente, fertilizante, trator ou antiparasitário para bovino, o fato é que a qualidade e a tecnologia dos produtos são condições básicas para estar no jogo. É preciso pensar e fazer diferente.

Uma empresa pode obter vantagem competitiva e se destacar de várias formas, dentre elas, ter uma marca forte e bem construída e oferecer serviços diferenciados. Philip Kotler, expressa essa ideia com o seguinte pensamento: “Toda empresa é uma empresa de serviços. Você não é uma empresa de químicos. Você é uma companhia de serviços químicos.”

O agronegócio continua sendo um celeiro de grandes negócios para as empresas que, através de um Diagnóstico bem elaborado, conseguem observar oportunidades que não estão à vista. Um bom exemplo é oferecer serviços que não estejam diretamente ligados aos produtos, mas que podem ajudar o cliente, no caso o produtor rural, a melhorar seu negócio.

A 7ª edição da Pesquisa ABMRA – Hábitos do Produtor Rural, mostrou que a mão de obra e a Legislação Trabalhista estão entre as principais preocupações do produtor rural no Brasil.

Ajudar a desenvolver treinamentos e outras formas de reciclagem de conhecimentos dos produtores, seus sucessores e dos seus funcionários, é uma forma de oferecer serviço que agregará diferenciação. Recomendar também programas que tenham como objetivo, motivar as equipes da fazenda, pode ser uma excelente forma para o produtor conquistar o engajamento dos colaboradores e, por consequência, melhorar a performance dos seus negócios.

Há ainda questões relacionadas com a Legislação Trabalhista e que podem representar uma outra boa maneira das indústrias prestarem orientação e apoio aos clientes. Incentivar boas práticas de gestão de pessoas, estreitar laços entre equipes internas e de prestadores de serviços.

Sabemos que o dia a dia em uma propriedade rural depende das condições climáticas e de imposições da natureza. Neste ponto, não há como determinar com precisão em qual dia acontecerá a plantação ou quando, de fato, será realizada a colheita. Diferente do que acontece em uma fábrica ou em um escritório, em que há dias, horários e turnos determinados para iniciar e terminar a jornada de trabalho, no campo a realidade é singular.

Há períodos em que são necessários dias e horas de trabalho intenso e outros em que não há nada a fazer, apenas aguardar o momento de colher aquilo que anteriormente fora plantado. Então é preciso pensar em como otimizar este tempo.

Prestar consultoria e orientar os clientes com um plano de trabalho que melhore a produtividade da mão de obra, atendendo às Legislações vigentes, certamente será algo que gerará valor para os clientes e fortalecerá a fidelização comercial.

Não se descarta a hipótese de articular este atendimento “VIP” com especialistas, que, certamente, imprimirão a esses serviços complementares uma qualidade distinta e muito bem-vinda pelos produtores que, embora estejam cada vez mais conectados, demandam apoio mais próximo e permanente.

Sobre esses especialistas, não só apenas engenheiros agrônomos e zootécnicos, mas também os profissionais das áreas ambiental, de medicina, de segurança do trabalho e jurídica.

Todas essas áreas têm regras bastante rígidas e com potencial tendência para gerarem problemas e contingências por parte de auditores fiscais ou mesmo por parte dos Ministérios Públicos Estaduais e do Trabalho.

Em um período de tanta insegurança e incertezas como o que estamos passando em razão do COVID-19, não há nada melhor do que oferecer apoio e bases técnicas confiáveis aos produtores.

Certamente oferecer orientação de um especialista através de consultoria ou de materiais em fascículos fará com que os clientes reconheçam em seu fornecedor, um grande aliado.

 

Ricardo Nicodemos
Diretor de Planejamento da RV Mondel
Vice Presidente Executivo da ABMRA

Luiz Eduardo Moreira Coelho
Diretor do Sindicato das Sociedades e Advogados dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.
Membro do Comitê de Trabalho e Previdência de Estudos da Sociedade de Advogados.
Sócio do escritório Coelho e Morello Advogados Associados.