Comunicar também é essencial

Por: Julio Cargnino

Todos já sentimos que a pandemia mudou nossas vidas, nosso jeito de ser, de agir, de trabalhar, de se relacionar com as pessoas e como consumimos informação. E essas mudanças não são transitórias, elas são o início de um novo ciclo de comportamento. Os universos da comunicação e do marketing estão seguindo o comportamento das pessoas e é preciso estar atento aos movimentos dele para não se perder pelo caminho.

Com cada vez mais gente em casa, as audiências de todas as mídias eletrônicas subiram rapidamente, independente do perfil do público. No ambiente do agronegócio, um dos setores que precisa seguir funcionando, o crescimento da audiência digital do Canal Rural foi de 35% no comparativo entre fevereiro e março.  O público buscou conteúdos sobre os impactos do Coronavirus no agro, mas o que mais gerou audiência foram as informações de serviço que indicam caminhos técnicos, de clima, mercado e gestão para os negócios. Claramente, o público esteve mais atento, preocupado com o planejamento de futuro de suas propriedades e muito envolvimento nas discussões. A comercialização de animais nos leilões pela televisão cresceu cerca de 30% nas primeiras semanas de confinamento, segundo dados da maior leiloeira do país. O público do agro está atento ao seu business, ávido por informação e extremamente conectado no mundo.

Algumas cadeias produtivas do agronegócio já estão enfrentando problemas graves como é o caso do leite e hortifruti, mas outros segmentos importantes como grãos estão colhendo safras históricas, com preços valorizados em função do câmbio favorável. Em geral, os produtos que são commodities internacionais estão vivendo um bom momento e os produtores já começaram o planejamento da próxima safra, querendo entender cada vez mais para onde vai o mundo e onde estão seus parceiros.

O momento é sim de incertezas quanto ao tempo de duração da pandemia e dos impactos que esse processo vai gerar nas empresas, mas para quem está no agro é preciso manter a conexão com seu público e não perder espaço na cabeça e no coração dos clientes. Muitos cortarão suas verbas de comunicação e marketing para reduzir despesas, mas outros investirão em soluções inovadoras, criarão mensagens adequadas a cada momento e aproveitarão esse período de alta disponibilidade das pessoas diante das telas para se aproximar ainda mais de seus clientes. Mensagens que antes poderiam passar despercebidas, agora, tendem a ser mais valorizadas por um público que está atento aos produtos, serviços e propósitos de cada organização. Por isso, é importante saber quando comunicar e o que comunicar, mas ficar sem comunicar é um risco muito alto.

O agro vai continuar forte, as projeções de PIB do setor para o próximo ano apontam para algo na faixa dos 5%, mas para chegar lá, as safras precisam ser plantadas no segundo semestre de 2020 e os insumos para o campo comprados ainda neste cenário de incertezas. O produtor rural seguirá tomando decisões de compra, buscando informações sobre tecnologias que o auxiliem a produzir mais e melhor e quem estiver em seu radar, com a mensagem certa e melhor proposta de valor vai ganhar pontos nesta corrida.

 

 

Julio Cargnino
Jornalista,
Diretor-presidente do Canal Rural do Grupo J&F e
Diretor da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócios.