5 dicas para desenvolver uma agtech

Por: Paulo Humaitá

O ecossistema de startups do agronegócio – agtechs – não para de crescer e ao que tudo indica continuará assim. De acordo com o levantamento “Radar Agtech Brasil 2020/2021”, existem 1.574 startups do setor no Brasil. Mesmo com o número de empresas crescendo, criar uma agtech e se manter no mercado não é fácil.

Apesar disso, existem alguns caminhos que podem ajudar nessa jornada. Confira cinco dicas importantes que separei e que podem ajudar empreendedores em potencial.

1 – Definir a ideia

Antes de qualquer passo é importante ter uma ideia inovadora, já que essa é uma das principais características de uma startup.

Não adianta fazer mais do mesmo, porque o ecossistema de startups precisa de ideias novas. Uma boa alternativa é pensar em qual problema a sua empresa quer resolver e, a partir disso, encontrar caminhos para refinar a ideia.

Outro ponto importante nesse momento é descobrir quem são os possíveis concorrentes e se um deles oferece uma solução semelhante. A sua ideia precisa ter um diferencial que vai destacar a sua agtech no mercado.

2 – Escolher qual modelo de negócio seguir

Depois de definir a ideia é hora de identificar o modelo de negócio que sua empresa vai seguir, já que é uma maneira eficiente de estruturar o projeto.

O modelo de negócio ajuda o empreendedor a entender informações importantes sobre a empresa como atividade principal, recursos, fonte de custos e de receita, clientes, parceiros, entre outros dados.

Existem vários modelos de negócios diferentes e é importante buscar uma alternativa que seja condizente com os objetivos da empresa, já que esse é um plano que auxiliará no crescimento do empreendimento.

3 – Encontrar parceiros de jornada

De acordo com um levantamento publicado na Harvard Business Review, metade dos CEOs entrevistados afirmam que já se sentiram sozinhos e relataram que isso torna-se um problema no dia a dia. Empreender pode ser uma jornada solitária em algum momento, principalmente no início, mas não precisa ser desse jeito.

A sensação de solidão pode ser diminuída quando outros profissionais do mercado estão dispostos a ajudar empreendedores. Ter contato com outros empreendedores – e até mentores – pode diminuir o sentimento de solidão.

4 – Validar o negócio

A validação do negócio é uma das fases mais importantes, porque esse é o momento de saber se a ideia que será implementada é viável no mercado ou não.

Uma das formas mais utilizadas para validar uma ideia é o MVP (Minimum Viable Product), que é uma versão mais simples do negócio.

Uma boa alternativa é buscar profissionais para ajudar nessa tarefa. Aqui na Bluefields oferecemos o programa Sparks que ajuda os empreendedores em todas as etapas iniciais do negócio. Com o Sparks, os profissionais lapidam a ideia do projeto e aprendem mais sobre detalhes importantes para qualquer startup, inclusive agtechs. Além disso, oferecemos uma rede de mentores e parceiros que auxiliam em etapas específicas da empresa.

5 – Buscar investimentos

Depois de definir a ideia, escolher o modelo de negócio, encontrar parceiros de jornada e validar o negócio, é hora de buscar investimentos para a agtech.

Nessa etapa é muito importante ter contato com pessoas e, principalmente, profissionais do mercado que estão dispostos a ajudar nesse processo.

É importante seguir todos os passos para conquistar a confiança dos investidores no negócio e, assim, obter o tão esperado investimento. Os empreendedores precisam realmente acreditar no negócio e essas dicas podem ajudar a se manterem no mercado.

 

*Paulo Humaitá é fundador e CEO da Bluefields Aceleradora, que conta com 17 programas de aceleração realizados para mais de 200 startups.

Fonte: Artigo publicado no site Agrolink